terça-feira, 13 de julho de 2010

Emprego e o Microcrédito

Por força das minhas funções laborais tenho, ultimamente, um contacto mais próximo com o microcrédito. É uma ferramenta de financiamento para pequenos negócios acessível a empreendedores sem recursos financeiros.

O microcrédito surge no Bangladesh, no ano de 1976, e o seu mentor foi Muhamad Yunus. Quando Muhamad Yunus procurou apoio dos bancos comerciais para este projecto sentiu resistência, decidindo, assim, criar a sua própria instituição financeira, o Grameen Bank. Em Portugal, o microcrédito surge pela mão da Associação Nacional de Direito ao Crédito (ANDC), no ano de 1998. Em 2004 é reconhecida à ANDC o estatuto de utilidade pública.

O microcrédito acaba por ser um empréstimo bancário de pequeno valor, o máximo é de €12.500,00, destinado a apoiar os empreendedores que não têm acesso a credito bancário comercial. Claro está que o crédito não é atribuído de qualquer forma, contudo a premissa base é que todas as pessoas devem ter direito ao crédito para criarem o seu negócio e criarem a sua autonomia.

Portanto, pode-se dizer que esta ferramenta ter uma forte componente social. Até me atrevo ir mais longe e dizer que o microcrédito é um autentico instrumento de inserção social. Admirados? Não fiquem... Em conversa com um dos promotores do microcrédito ele informou-me que todas as pessoas, mesmo todas as pessoas, desde que apresentem uma ideia viável de negócio, são possíveis "clientes" do microcrédito. Referindo especialmente pessoas desempregadas e beneficiá rios do Rendimento Social de Inserção, mas sem excluir o resto da sociedade civil, mesmo trabalhando podem ser candidatos a financiamento.

Qual o interesse actual do microcrédito? Além de ser uma ferramenta de fácil, pode ser uma forma de criar emprego. Todos sabemos que o actual clima do mercado de trabalho, especialmente no interior, está agreste, as ofertas de emprego são poucas. Em meu entender, uma forma de encontrar emprego é criar o próprio emprego. Daí o microcrédito ter um grande interesse. Com certeza que existem por aí muitos desempregados com ideias excelentes de negócio.

O contacto com a ANDC é simples... basta preencher um pequeno formulário e enviar para a ANDC. A partir deste momento, um técnico da associação entra em contacto com o possível microempresário para perceber melhor a ideia de negócio e ajudar a desenvolver essa mesma ideia. Depois é feita a avaliação financeira do negócio, caso seja um negócio com viabilidade, o candidato é apoiado financeiramente. O microcrédito tem um prazo de 4 anos de reembolso, podendo ter seis meses de carência, e durante este período o microempresário é acompanhado pelo o técnico da associação.

Curiosos? Verifiquem as condições em http://www.microcredito.com.pt/

Até um próximo post.

Sem comentários: