terça-feira, 26 de outubro de 2010

A Austeridade e o OE 2011

Austeridade, substantivo feminino que significa dureza, rispidez, severidade (léxico dicionário português online). O Orçamento do Estado para 2011 é um orçamento austero.

Pondo de parte as medidas que preveem a redução da despesa pública, o que é verdade as medidas fiscais são bastantes rigorosas para as famílias.

Do Plano de Estabilidade e Crescimento II, já estão medidas rigorosas para as famílias, a revisão das taxas de IRS, que já se reflecte no vencimento dos trabalhadores portugueses. Depois, a partir de 1 de Novembro, entra em vigor as novas regras do abono de família, tendo sido revisto os escalões, acabando por “desaparecer” o 4º e 5º escalão.

Continuando com o PEC II e falando de medidas da política social, poderemos também rever as alterações ao cálculo da prestação social Rendimento Social de Inserção (RSI), também por força da alteração da condição de recurso para as prestações sociais.

Mais medidas de esforço se avizinham… o próximo ano vai ser complicado, dizem…

Uns dizem que é um mau orçamento, por força do esforço das famílias e por não ter previsto o crescimento na nossa economia. É verdade que com as medidas que se avizinham, será difícil prever um crescimento.

Durante alguns anos, as famílias foram incentivadas ao consumo. Oferta de crédito por parte de instituições bancárias, pagamento de compras em prestações, etc, etc. Durante anos as instituições financeiras (bancos) serviram-se dos consumidores (as famílias) para venderem crédito fácil. Agora, tendo em vista uma “taxa à actividade bancária”, já dizem que quem vai pagar são os consumidores (as famílias). Será isto certo?

Até um próximo post.

Sem comentários: