terça-feira, 19 de julho de 2011

A Guarda é Isto e Muito Mais...

Pode-se retratar a qualidade de vida nos centros urbanos atendendo aos serviços disponíveis nos mesmos. Ou seja, pode-se considerar uma cidade com qualidade de vida que ofereça serviços na área do desporto, da promoção cultural e eventos, de saúde, rede de transportes, boas acessibilidades rodoviárias, baixo nível de criminalidade. Além disto, pode-se ainda considerar a rede de serviços administrativos públicos, o comércio com potencial de escolha e o ambiente.

A Guarda tem tudo isto... Quando estou com alguém que vive num centro urbano grande e fala do provincianismo da cidade costumo responder da seguinte maneira: A que horas sais de casa para estares no trabalho? Quanto tempo demoras em filas de transito? A que horas estás de volta a casa depois de um dia de trabalho, depois de enfrentares filas de transito, transportes públicos "à pinha"?

Claro está que as respostas não são animadoras, logo aí baixam as armas. Pois é - digo eu - é que posso viver numa cidade provinciana, mas não perco tempo em filas de transito, tenho tempo útil para estar com a família e amigos depois do trabalho e, mais a mais, tenho cá os serviços que tu tens na tua grande cidade.

Ora ganhei a discussão... Certo? Não... Isto continua.

Chega o argumento do emprego, das oportunidades de emprego. Rendo-me. É verdade... A cidade da Guarda não é provinciana, tem de tudo o que uma cidade desenvolvida tem, mas não tem as oportunidades de emprego, ou seja, o algo mais que faça as pessoas ficar por cá.

Resumindo, uma cidade pode ter uma série de serviços para oferecer aos seus habitantes, contudo, se não houver emprego esses mesmos serviços não servem para nada. Não consigo perceber, apesar da localização da cidade como não somos capazes de atrair investimento.

Não entendo, estando a cidade no cruzamento de duas auto-estradas, próxima de Espanha, com um parque industrial que oferece boas condições para instalação de empresas (PLIE), que a velocidade de criação de emprego seja tão reduzida.

Até um próximo post.

Sem comentários: