terça-feira, 19 de março de 2013

À Mercê dos Grandes...

Foi hoje publicado a análise comparativa das remunerações praticadas no sector público e no sector privado. O estudo foi encomendado pelo Governo à consultora Mercer.

Numa primeira observação, o trabalho público está tão descredibilizado que é necessário encomendar este tipo de estudos a entidades privadas. Claro que sendo uma entidade externa ao um organismo público, além da credibilidade, assiste o princípio da isenção, ou equidistante às partes em estudo. Contudo, esta ibservação vem na sequência de uma questão que me anda a "matutar": Qual a razão de tantos técnicos superiores especialistas (tão bem pagos - ups, o estudo diz o contrário) na administração pública central?

Bem, provavelmente, poderão dizer, serão necessários para ajudarem os ministros a interpretarem este tipo de relatórios. Só vejo esta razão...

Em segunda observação, apetece-me dizer que o relatório descreve a teoria da batata... Pois bem, de uma forma muito simples, o que o relatório refere é que as actividades profissionais de topo (directores, subdirectores, etc.) são mal remunerados na administração pública em relação ao sector privado e, por outro lado, as actividades de menor responsabilidade, falando dos operacionais, os que executam as instruções dos mal pagos, são bem remunerados em comparação ao sector privado.

Pois claro, isto já era sabido e o Governo, mesmo assim gastou dinheiro para que uma entidade privada elaborasse um relatório! Cá está, se fosse o mesmo a referir tais conclusões não era credível, pois não?

E o que sugere o relatório? É simples, deve-se aumentar os salários dos cargos de topo e diminuir os de cargos de inferior importância. Esta solução tem por objectivo evitar que os melhores técnicos fujam do público para o privado!

O curioso é que os cargos de topo analisados são todos de nomeação política...

O relatório pode ser consultado AQUI.

Até um próximo post!

Sem comentários: