domingo, 1 de dezembro de 2013

Que ANJE(inhos)!? Já Foste!

Ainda o aniversário da Guarda... Fez, no passado dia 27 de Novembro, 814 anos. O novo Presidente da Autarquia ofereceu à cidade, e aos seus cidadãos uma prenda, a assinatura do protocolo com a Entidade de Turismo Centro de Portugal (ETCP), ficando cá uma delegação e um posto de turismo. Ofereceu à cidade e ela  agradece.

A sede para a delegação da ETCP se instalar também ficou logo definida... Ou não! Pois tenho recebido informações contrárias, umas são públicas e dadas por órgãos de comunicação social, que estiveram presentes na assinatura do protocolo, outra é dada por um membro do executivo da Junta de Freguesia da Guarda, que vai, completamente, no sentido contrário da informação dos órgãos de comunicação social.

O Sr. membro do executivo da Junta de Freguesia da Guarda, mais propriamente, o tesoureiro, com funções a tempo inteiro, nega que a delegação da ETCP e o posto de turismo ficarão no Solar dos Póvoas, dito a mim um dia antes do aniversário da cidade e na presença de um outro membro da Assembleia de Freguesia da Guarda, afirmando que irão ocupar as antigas instalações das extintas Juntas de Freguesia de Sé e São Vicente. Dias mais tarde, os jornais locais, mais a Lusa, confirmam que a sede da delegação da ETCP e o posto de turismo ficarão no Solar dos Póvoas. Estaria o Sr. membro do executivo da junta mal informado ou desconhecia por completo...

Até à tomada de posse do novo executivo, o Solar dos Póvoas estava cedido à Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), onde era pretensão instalarem uma delegação e um ninho de empresas. À tomada de posse tudo muda, vem um vento, ou ventania forte, e leva anteriores protocolos assinados. O Solar dos Póvoas passam a ser divididos por duas entidades, uma de direito público, a Sede da Junta de Freguesia da Guarda, outra de direito privado, a ANJE.

Continuava-se a insistir que a ANJE, no referido espaço, iria ter a sua delegação e instalar um ninho de empresas. Eu perguntava como é que seria possível, uma vez que o espaço era cada vez mais reduzido. Qual seria a capacidade do mesmo para instalar startups, quantas é que iriam ser instaladas? Sendo da opinião que não era o espaço apropriado para um ninho de empresas e nem sequer para uma incubadora de ideias. Mas insistiam que sim, a ANJE continuaria a ocupar o segundo piso do edifício.

E veio o vento, forte, forte, forte... Que não nos tem largado desde a tomada de posse do novo executivo camarário. Mudou tudo. À semelhança do Governo do nosso país, está a reformar, ou seja, apaga tudo o que foi feito até então, estivesse bem ou mal, e começa novos processos. A verdadeira identidade vai sendo revelada.

Agora, a ANJE já não tem espaço para a sua delegação, nem para o ninho de empresas. Neste momento, voltou-se, segundo informar em jornais e afins, a pensar num espaço para a ANJE. Esta entidade teria a pretensão de incentivar ao empreendedorismo, apoiando iniciativas de jovens da Guarda, que poderiam vir a criar emprego da cidade.

Até um próximo post!

2 comentários:

antoniocosta disse...

Nuno,

Concordo consigo quando afirma que o Solar dos Póvoas não era um espaço adequado para instalar a ANJE. E por que não instalar a ANJE nas antigas instalações da ADECCO? Seria uma forma de revitalizar o espaço envolvente que se encontra ao abandono. Exerça a sua influência…

Nuno Laginhas disse...

Boa noite António Costa,

Concordo com a sugestão, uma vez que o sugerido espaço foi intervencionados para alojar a Adecco e as despesas foram públicas.