sábado, 5 de abril de 2014

Ready, ready, go... Start Guarda!

Pelo título do artigo até se poderia pensar que seria sobre alguma actividade de promoção da Guarda ou sua região. Start Guarda, o início, pode significar muita coisa. Muita coisa é preciso fazer nesta região, é necessário desfazer o hiato de desenvolvimento em relação a regiões mais periféricas, o litoral, aproveitando os recursos materiais e imateriais disponíveis.

Ready, ready, go... Start Guarda, retrata um pouco o que defendo a algum tempo, uma verdadeira incubadora de empresas centrada numa área, permitindo a especialização e promovendo os recursos locais ou da região. Portanto, aproveitando a ideia de cluster, a incubadora deverá estar adequada às potencialidades locais, seja na gastronomia, turismo/património, cultura, a agricultura ou até o ar, afirmando-se local e nacionalmente.

Deve ser um espaço que proporcione confiança a quem o vá ocupar, portanto, um espaço que além de disponibilizar uma secretária, cadeira, ligação à internet, ligação telefónica, impressora e uma sala de reuniões, tem que prestar serviços necessários no apoio ao desenvolvimento e consolidação das ideias de negócio. A ideia será gerar riqueza, para o empreendedor, e promoção da região. O Start Guarda, se assim o quiserem chamar, deverá desenvolver um programa de pré incubação, desenvolvimento do modelo de negócios através de tutorias com profissionais especializados, formação especifica, eventos de networking e actividades complementares, tendo em vista o sucesso do empresário.

A Guarda, afirmando no panorama local a sua centralidade, oferece, a nível de infraestruturas, uma vasta oferta. Há espaços na cidade voltados à degradação, empobrecendo a estética da cidade e a segurança dos transeuntes. Além de infraestruturas, a Guarda é rica em associativismo, existem entidades que já deveriam ter debatido há muito tempo, a formalização de uma estrutura que promova a região, havendo algumas que até poderiam, estruturalmente, alojar uma incubadora (mas a ideia continua a de aproveitar edifícios em degradação).

Além das associações comerciais e empresariais, a Guarda usufruiu de outra vantagem, a existência de uma entidade de ensino superior. Em vez de ensaiar projectos internos, casulos locais de incubação,  poderá oferecer mais à região. A abertura à comunidade, para trabalhar com ela e para ela, é essencial, deverá promover projectos para a região, fora do campus universitário, contribuindo com o saber, a tutoria.

A Guarda precisa de se mostrar como cidade dinâmica e pró-activa, o capital humano já existe, só é preciso dar valor às suas competências, acreditar nas capacidades, para mostrar ao país e Europa que vale a pena implementar negócios na região. Para tudo isto é necessário desenvolver um projecto efectivo, em associação com vários agentes locais, regionais e nacionais, em vez de se oferecer eventos desgarrados, não concertados, criando, por vezes, confusão em potenciais empreendedores.

Para isto é necessário haver capacidade para discutir e afirmar um objectivo, planear o caminho e avaliá-lo. Todos os agentes têm que estar envolvidos na discussão, começando pelo motor de arranque, a autarquia local. Não só de festas e de operações plásticas vive o povo. Tem que promover o diálogo.

Até um próximo post!

4 comentários:

antoniocosta disse...

Para mim a ideia fundamental do texto que publicou é o networking! Não existe networking, ou se existe, infelizmente não conheço. Faltam à Guarda, e na Guarda, espaços de partilha de ideias, sem complexos, críticos, que promovem a criação de start up's. Eventos com um TEDx ou um Ignite (julgo que já houve uma edição na Guarda) ou uma nova edicão do MF24 seriam ferramentas essenciais para aumentar a massa crítica nesta cidade!

Nuno Laginhas disse...

Boa noite António Costa, concordo no que refere à falta de networking. Sou da opinião que a primeira fase para a instalação de uma incubadora será promover sessões de partilha de ideias. Na Guarda já houve um Ignite e um MF24. Estive envolvido na organização deste último, que na verdade é um evento de networking. Conheço a organização local responsável pela realização do Ignite e estão a ponderar fazer um novo.

antoniocosta disse...

Folgo em ouvir isso! Espero mesmo que possa realizar, estando disposto a colaborar naquilo que me seja possível para que esses eventos vejam a luz do dia!

antoniocosta disse...

Folgo em ouvir isso! Espero mesmo que possa realizar, estando disposto a colaborar naquilo que me seja possível para que esses eventos vejam a luz do dia!