sábado, 27 de janeiro de 2018

Da Ferrovia para a Rotunda

A Linha da Beira Alta é concluída em 1882, sendo inaugurada pelo reis D. Luís I e D. Maria Pia a 3 de agosto desse mesmo ano. Esta infraestrutura trouxe o progresso à Guarda, permitindo a sua afirmação como um importante polo regional, aproximando o território do litoral. Permitiu dissipar estigmas sociais trazendo à região o desenvolvimento cultural e social.

A Linha da Beira Alta, em 1907, volta a ser um marco importante na vida da região, com a chegada dos reis D. Carlos e D. Amélia para a inauguração do Sanatório Sousa Martins. Também neste marco histórico da região, a luta contra a tuberculose, esta via de comunicação foi preponderante para a afirmação da cidade.

Com a ligação à Linha da Beira Baixa, em 1893, a Guarda reafirma-se como um polo aglutinador regional.

Será, provavelmente, do acordo de muitas pessoas que a ferrovia foi e é uma infraestrutura estratégica para o desenvolvimento do concelho e da região. Seria talvez justo fazer a digna homenagem.


Há várias formas de assinalar e honrar marcas importantes da nossa história, através de estátuas, da cultura, etc., não deixando cair no esquecimento esses momentos ou épocas. Contudo, mais importante do que uma singela estátua ou outro acto, será, na minha opinião, no que diz respeito a este tema, agir com ações concretas que promovam, novamente, o desenvolvimento regional em termos culturais, sociais e económicos.

Em Janeiro de 2017, o Executivo Municipal com pelouros aprovou a requalificação de uma rotunda na Guarda, inserindo lá uma locomotiva da década de 50 do século passado. A locomotiva da série 1500, fabricada pela American Locomotive Company, com motor a gasóleo e 1500cv, veio substituir as locomotivas a vapor locomotivas a vapor, devido à grande escassez de carvão que se fez sentir na época. A que será exposta na rotunda é a locomotiva 1505.

A opção pela requalificação teve como justificação de que "faz jus à história do passado da Guarda e para que continue a ter uma história com futuro". Os vereadores do Partido Socialista, à data dessa reunião de Câmara, votaram contra tal requalificação com a justificação de que gostariam "... de ver este dinheiro investido num pavilhão multiusos, por exemplo, ou numa ciclovia".

Há duas orientações bem distintas, a primeira fica presa no passado e com o passado, a outra, não esquecendo o passado olha para o futuro, como se pode observar pelas declarações do então vereador socialista. Isto é claro nas declarações de ambos os intervenientes [ver aqui].

Como o concurso para a requalificação ficou deserto, sem candidatos interessados, passado pouco mais de um ano, após eleições autárquicas, o assunto é levado de novo a reunião de Câmara sendo aprovado por unanimidade, ou seja, com a concordância dos novos vereadores do Partido Socialista. Esta posição tomada pelos vereadores socialistas leva a uma questão importante: é então este o outro caminho para o concelho?

Sem comentários: