sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Opinião em Dissonância Cognitiva

Presenciamos um período em que estamos numa espécie de dissonância cognitiva, uma espécie de incoerência entre as nossas atitudes e comportamentos.

Vivemos um período em que gostamos de glorificar a nossa liberdade, apelando ao enumerado de direitos e garantias da Constituição da República Portuguesa, mas somos intolerantes à diversidade de opiniões. Adoramos e aclamamos a liberdade mas não aceitamos a opinião dos outros. Significa isto que, afinal, continuamos a querer impor a nossa opinião e ostracizamos, por vezes, de forma violenta quem pensa diferente de nós.

Tudo isto vem a propósito do já tão falado Museu do Salazar. Claro que muitos viveram esse período negro da história de Portugal, não era permitido emitir opinião diferente de quem governava ou comandava, os comportamentos eram regulamentados e fiscalizados. Outros conhecem esse período através de relatos na primeira pessoa ou de livros de história e um ou outro documentário ou filme. Outros já nem se apercebem do que aconteceu há 45 anos, um período tão distante. E Isto é que é preocupante.

Claro que discordo totalmente com um espaço que promova e glorifique um regime fascista, de fome e miséria, com poucas liberdades e um enorme grau de analfabetismo.  Não quero que essa época seja glorificada, mas quero que seja relembrada como um ensinamento para o futuro. Não quero regressar esse passado negro e a tudo de mau que ele personifica, quero que as novas gerações, os tais que nem se apercebem do que aconteceu, saibam que houve uma época em que se existisse, por exemplo, um “Whatsapp” as suas comunicações, mensagens, eram controladas pelo lápis azul e se saíssem da norma instituída incorriam num crime que os levaria a uma prisão. Eram perseguidos por uma PIDE.

Nesta questão do Museu de Salazar, apetece-me comparar com o Campo de Concentração de Auschiwitz. Muitas das gerações sabem que espaço era aquele, o que ele representa, um dos períodos mais negros da história mundial, o maior símbolo do Holocausto. Milhares de pessoas foram assassinadas nesse campo, e em outros idênticos, em nome de uma supremacia moral e racial. Contudo, esse espaço, hoje em dia, é um memorial e um museu, visitado por milhares de pessoas que celebram a liberdade e se opõem às atrocidades que aconteceram nesse espaço e que ainda vão acontecendo por este mundo a fora. É visitado por quem, na primeira pessoa, sofreu e aguentou as agruras desse período e espaço. O Memorial e Museu de Auschiwitz está lá para lembrar que tais actos não podem acontecer, que ensina o que foi esse período da história mundial para evitar que se voltem aparecer ideologistas do Holocausto.

Se o Museu de Salazar servir para mostrar aos que acham que o fascismo em Portugal e os seus efeitos perversos estão distantes e foi uma mera história, um centro interpretativo e educacional, por mim avancem com ele. Mas, se for para glorificar uma época negra, assim já me oponho veemente.
Extremamos as nossas atitudes e comportamentos, e nos extremos não há nada de romântico, chamando fascistas aos que têm a opinião de que o museu não deve ser construído e para isso elaboraram uma petição para que tal não aconteça. Os que se opõe à petição acabam por serem eles próprios os fascistas da opinião. Assina a petição quem quer.

Eu não vou assinar essa petição. Se o Museu existir levarei lá as minhas filhas para que elas presenciem o que foi esse período negro, o que era a falta de LIBERDADE. Quero que as minhas filhas compreendam o que é o fascismo, a ditadura, a xenofobia e a falta de solidariedade, e tudo de mau que isso representa para o futuro delas e deste mundo.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Guia para um Ano Novo de Sucesso

1º - Usar Cueca Nova;

2º - Escolher a cor da cueca;
  • Azul - para um ano com sorte;
  • Vermelho - para um ano com sucesso no amor (aconselhado para solteir@s);
  • Amarelo - para um ano com sucesso financeiro (aconselhado para quem quer pagar dívidas);
  • Branco - para um ano com paz e felicidade;
  • Castanho - para um ano com sucesso profissional (aconselhado para quem quer apostar no factor "C");
3º - Ter na carteira uma nota de €500,00 (para os menos afortunado financeiramente, escolher a nota de valor mais alto que tem na carteira);

4º - Subir para uma cadeira, apoiar-se no pé direito enquanto segura a nota de €500,00 (não aconselhado para quem já consumiu muito "Moët & Chandon");

5º - Com a mão livre alimentar-se com as 12 passas ao ritmo das doze badaladas.

@s men@s afortunad@s podem optar uma uma cueca multicor (técnica não comprovada, usar por conta e risco de cada um).

O Sentido Interior deseja a tod@s um ano repleto de sucessos pessoais, familiares, escolares, profissionais e políticos.

sábado, 29 de dezembro de 2018

T.P.C. para um Autarca

Tenha em consideração as seguintes condições:

1. Um Presidente de Câmara Municipal exige e negoceia, em nome de uma força política, a transferência de competências do Poder Central para as autarquias, ou seja, negoceia a descentralização;

2. Um executivo camarário, liderado poe autarca da condição anterior, aprova e manda executar o ornamento de uma rotunda, com um custo aproximado de €500.000,00;

3. No Concelho, aqui retratado, existe uma freguesia que é a segunda maior autarquia do distrito, gerindo um orçamento de cerca de €500.000,00;

4. Atendo ao referido na condição anterior, mais de 60% do orçamento é destinado a gastos operacionais da Junta de Freguesia e gastos com o pessoal;

5. Tendo, ainda, em consideração o orçamento da referida freguesia, o executivo desse órgão autárquico só se compromete com uma obra de beneficiação, um cemitério, prevendo, para o ano den2019, um custo aproximado de €60.000,00. Refere ainda que não sequer comprometer com mais obras;

6. Na freguesia, aqui retratada, existem diversos problemas relacionados, por exemplo, com o estado de conservação de arruamentos, parques infantis, jardins e espaços de lazer, equipamentos desportivos, transportes urbanos, etc.;

7. Na Assembleia de Freguesia há uma força política que, em sede de direito de oposição, apresenta, regularmente, várias propostas, seja no âmbito de discussão do orçamento ou em outras sessões, para resolver os constrangimentos relatos e alavancar a economia local o bem estar da população;

8. O Presidente dessa Junta de Freguesia afirma que, das propostas apresentadas, nenhuma é da competência do órgão autárquico que lidera;

9. Em Assembleia de Freguesia, duas forças políticas elencam s vários problemas e propostas de resolução. A terceira força política, maioritariamente representada nesse órgão autárquico, relata eventos organizados pela Câmara Municipal;

10. O Presidente dessa Junta de Freguesia justifica-se com falta de acordos entre as duas autarquias, recorrendo, também, a um passado quase longínquo.

Outras condições a ter em atenção:

- O IMI está com uma taxa elevada;
- A força politica que governa as duas autarquias é o PSD;
- A força política que apresenta mais propostas, em sede de Assembleia de Freguesia, é o PS.

Tendo em consideração que a legislação nacional prevê a delegação de competências entre esses órgãos autárquicos, resolva o problema.